Muito pobre. É assim que se pode caracterizar a exibição do Atlético de Madrid frente ao Leganés, em jogo a contar para a sétima ronda do campeonato espanhol. Demérito da equipa de Diego Simeone, mas há que dar os louros à formação de Asier Garitano, que conseguiu anular a estratégia montada pelos colchoneros de jogar apenas com três defesas.

Claudio Beavue teve nos pés a primeira oportunidade para a equipa da casa, a rondar os vinte minutos. Um remate de primeira após cruzamento encostado à linha de fundo acabou muito perto do poste esquerdo da baliza de Jan Oblak. Ficou o primeiro aviso aos madrilenos, que se viam em dificuldades para furar a defensiva contrária.

Só com remates de longe é que os colchoneros conseguiam almejar a baliza de Iván Cuellar, mas o guardião do Leganés apresentou-se em bom plano e, aos 34 minutos, travou um remate potente de Stefan Savic. Na primeira parte, nada mais aconteceu, estando o jogo pautado pelo equilíbrio entre duas equipas com objectivos e ambições diferentes.

Já no segundo período, Oblak mostrou-se atento e foi posto à prova por Nabil El Zhar, através de um remate à queima-roupa que o esloveno ex-Benfica socou para longe. Aos 61 minutos, mais uma vez Oblak com uma enormíssima defesa, voando ao pontapé desferido por Dimitrios Siovas. O gigante guardião a mostrar por que razão é considerado um dos melhores guarda-redes da actualidade, sendo o principal responsável pelo Atlético ainda ter conseguido sair do Estádio Municipal de Butarque com um ponto.

Simeone não estava satisfeito com a performance da sua equipa nem do esquema táctico utilizado, acabando por retirar Antoine Griezmann do encontro, dando o seu lugar ao lateral Sime Vrsaljko, regressando assim ao esquema habitual de quatro defesas. Mas não veio alterar praticamente nada, mesmo com as entradas de Yannick Carrasco e Fernando Torres.

Do outro lado também estava um guarda-redes que queria mostrar serviço. Cuellar foi preponderante a garantir o empate, defendendo de forma estrondosa um cabeceamento de Diego Godín. O espanhol de 33 anos esticou-se por completo para desviar a bola pela linha de fundo, arrancando enormes aplausos vindos da plateia.

Acabou sem golos a partida, apesar de várias oportunidades para ambos os lados. O Leganés mostrou-se excelente do ponto de vista defensivo, enquanto o Atlético ainda sofreu com apenas três defesas no onze inicial. O Leganés mantém-se assim como a segunda defesa menos batida do campeonato (a par do Sevilha, com 3 golos sofridos), apenas atrás do líder Barcelona, que só sofreu 2 golos em sete partidas.

Em relação à classificação geral, o Atlético de Madrid perdeu a vice-liderança para o Sevilha, estando agora na terceira posição com 15 pontos. Já o Leganés continua nos lugares cimeiros, em sétimo, com 11 pontos, sendo já considerada como uma das surpresas neste início de prova. Na próxima jornada, os colchoneros têm um grande encontro em perspectiva, diante do Barcelona, enquanto o Leganés defronta o Málaga.

 

Anúncios